A mudança de mentalidade que ajuda a lidar com um colega passivo-agressivo

A mudança de mentalidade que ajuda a lidar com um colega passivo-agressivo – Com certeza, você já conhece uma pessoa passiva-agressiva. Pode ser um amigo que demora para responder às suas mensagens, um colega de apartamento que, sutilmente, coloca a sua louça suja na sua cama ou um colega que, de manhã, cumprimenta todos menos você.

Ao contrário dos primeiros dois exemplos, o colega representa um problema maior já que não é possível simplesmente distanciar-se dele.

Recentemente, Amy Gallo escreveu um artigo para a Harvard Business Review sobre como lidar melhor com este problema. Além das sugestões óbvias, que incluem evitar reações exageradas, brigas e comportamento passivo-agressivo recíproco, Gallo compartilha o conselho de Amy Su: é importante lembrar que, na maioria das vezes, não se trata de você.

As pessoas que têm um comportamento passivo-agressivo frequente não necessariamente são más pessoas. Pode ser que elas não saibam como comunicar-se ou têm medo de conflito. Também há um elemento egocêntrico neste comportamento. Elas assumem, erroneamente, que as outras pessoas deveriam saber o que elas estão sentindo, e que as suas necessidades e preferências são mais importantes do que as das outras.

Quando você aceita o fato de que o comportamento dessa pessoa pode não ser intencional, você pode enfrentá-lo de cabeça fria. Como sugere Gallo, foque no núcleo do problema, não na superfície.

Por exemplo, se a sua colega reclama que você nunca a ouve nas reuniões, talvez seja um sinal de que a opinião dela é ignorada por outros frequentemente. Ou se o seu colega de baia tende a sempre empurrar as suas coisas para fora da mesa dele, talvez ele esteja lutando para encontrar o espaço dele no escritório lotado.

Pensar dessa forma deixa-o com duas opções: você pode agir e esforçar-se para que o seu material não ocupe a mesa dos outros. Alternativamente, você pode dizer algo. Não se trata de confronto, mas uma conversa normal no momento.

Por exemplo, a próxima vez que o seu colega empurrar uma pasta sua para a sua mesa, diga: “Não tinha percebido que a pasta estava na sua mesa. Peço desculpa, vou tentar ficar mais atento para que as minhas coisas fiquem na minha mesa.”

Ou, no caso da pessoa que reclama nas reuniões, você pode dizer: “Peço desculpa se eu a fiz sentir assim, quero que você me dê a sua opinião sobre o assunto.”

Reconhecendo o problema sem agravá-lo você está transformando uma situação passiva-agressiva em uma situação honesta e sincera. Esta solução pode estabelecer o padrão de interação apropriada e respeitosa no local de trabalho. As suas ações têm um poder surpreendente.

Este artigo foi escrito por Alyse Kalish da The Daily Muse e foi legalmente licenciado pela rede de editoras NewsCred.

Fonte: Content-Loop BR

Fique por dentro

Assine nossa Newsletter e receba as novidades por email