COMO FUNCIONAM AS ELEIÇÕES AMERICANAS E QUAIS AS EXPECTATIVAS PARA 2020

Em meio à pior crise econômica desde a 2ª Guerra Mundial e uma pandemia, a eleição do presidente dos Estados Unidos segue incerta. Apesar de grande parte da mídia projetar Joe Biden como o 46º presidente dos Estados Unidos, ainda há estados em disputa, visto que Donald Trump levantou questões sobre contagem de votos ilegais e fraude no sistema eleitoral americano.

Inclusive, alguns sites jornalísticos colocam Donald Trump a frente, no cenário atual, como divulga o The Epoch Times. Isso se deve porque há ao menos 6 estados em disputa: Wisconsin, Michigan, Pennsylvania, Georgia, Nevada e Arizona.

Veja os próximos passos:

  • Até 11 de dezembro – autoridades estaduais devem certificar o vencedor de cada estado. Cada um tem seu próprio prazo; a Califórnia é o último.
  • 14 de dezembro – data prevista para os 538 delegados do Colégio Eleitoral depositarem seus votos, que devem seguir para a capital Washington.
  • 6 de janeiro – o novo Congresso, recém eleito, se reúne para contar os votos do Colégio Eleitoral e confirmar o resultado.
  • 20 de janeiro – presidente toma posse em Washington. Segundo projeções, o cargo deverá ser ocupado pelo democrata Joe Biden, o 46º presidente dos EUA.

Desde o formato de votação, até a contagem de votos, o sistema americano de eleição é tão diferente do brasileiro que rendeu inúmeros memes e  brincadeiras na internet. Mas, você sabe como funciona, as eleições americanas? Trouxemos um conteúdo para elucidar. Acompanhe.

Com a expectativa de que a pandemia afetará a vida pública, a eleição de 2020 provavelmente ficará para a história como uma das corridas presidenciais dos EUA mais incomuns já realizadas. Apesar das incertezas, existem alguns aspectos do processo eleitoral que estão consagrados na constituição dos EUA. O jornal britânico Telegraph¹ levantou diversos tópicos sobre como as eleições vão se desenrolar e quais as expectativas.

Desde o formato de votação, até a contagem de votos, o sistema americano de eleição é tão diferente do brasileiro que rendeu inúmeros memes e  brincadeiras na internet. Mas, você sabe como funciona, as eleições americanas? Trouxemos um conteúdo para elucidar. Acompanhe.

Com a expectativa de que a pandemia afetará a vida pública, a eleição de 2020 provavelmente ficará para a história como uma das corridas presidenciais dos EUA mais incomuns já realizadas. Apesar das incertezas, existem alguns aspectos do processo eleitoral que estão consagrados na constituição dos EUA. O jornal britânico Telegraph¹ levantou diversos tópicos sobre como as eleições vão se desenrolar e quais as expectativas.

Em que data são as eleições americanas de 2020 

A eleição americana de 2020 foi realizada na terça-feira, 3 de novembro.

Donald Trump até considerou atrasá-la em um tuíte que sugeria que as mudanças nas regras para contemplar votos pelo correio, poderiam levar a uma “eleição fraudulenta”.  Na época, Trump argumentou que, apesar de usá-la no passado, a votação pelo correio estaria mais sujeita a fraudes.

A data da eleição não está definida na Constituição dos Estados Unidos, portanto, um adiamento é tecnicamente possível. Contudo, a Constituição define uma data para a posse do presidente recém-eleito em janeiro.

O poder de alterar a data das eleições está nas mãos do Congresso dos Estados Unidos e depende da maioria para essa mudança.

De que outra forma o coronavírus afetou o ciclo da campanha eleitoral?

As convenções políticas democratas e republicanas, um marco dos anos de eleição presidencial, foram radicalmente diferentes da pompa usual.

Joe Biden e sua companheira de chapa, Kamala Harris, decidiram não viajar para Wisconsin para aceitar a indicação presidencial democrata por causa de preocupações com o coronavírus. Em vez disso, Biden aceitou a nomeação e fez um discurso de seu estado natal, Delaware. Harris também aceitou formalmente a indicação à vice-presidência em um hotel em Wilmington, Delaware.

A convenção republicana também foi reduzida. Grande parte da convenção, incluindo o discurso de Trump, foi virtual e incluiu discursos ao vivo de diferentes locais. O presidente fez seu próprio discurso de aceitação da indicação republicana na Casa Branca.

Como funciona a votação nas eleições nos EUA?

A votação para a eleição presidencial é uma escolha simples entre candidatos do Partido Democrata e do Partido Republicano. Ocasionalmente, um candidato de terceiro partido entra na corrida, como Kanye West este ano, mas é muito raro que eles ganhem força ou tenham um impacto significativo.

Qualquer candidato à presidência em potencial deve atender a três critérios: deve ser cidadão americano desde o nascimento; ter pelo menos 35 anos; e morar nos Estados Unidos por pelo menos 14 anos.

Os dois principais partidos políticos realizam primárias e convenções políticas em todo o país durante o ano eleitoral para selecionar quem eles querem que os represente nas urnas.

Os candidatos democratas e republicanos são então formalmente selecionados e anunciados durante as convenções de verão de seus partidos.

O próprio sistema eleitoral dos EUA está longe de ser simples. Isso porque, quando os fundadores da América criaram o sistema em 1787, não havia como um candidato presidencial organizar uma campanha nacional – e havia pouca identidade nacional.

Os pais fundadores optaram por não eleger os presidentes dos EUA pelo voto popular direto, por temor de que estados maiores e mais populosos pudessem ter um papel desproporcional na decisão do vencedor.

O sistema de eleitores, vagamente baseado no sistema do Colégio Cardinalício para seleção do Papa, foi escolhido com a teoria de que os indivíduos mais bem instruídos e informados de cada estado escolheriam um presidente por mérito, desconsiderando a lealdade do estado.

Assim, quando os americanos votam em 3 de novembro, tecnicamente votam em “eleitores”, não nos próprios candidatos. Os eleitores são funcionários do estado ou figuras importantes do partido, mas geralmente não são citados na cédula.

Cada eleitor dá um voto após a eleição geral para um dos dois candidatos. O recém-eleito presidente e vice-presidente será então empossado em 20 de janeiro de 2021.

Como funciona o colégio eleitoral?

Todos os 50 estados dos EUA e Washington DC têm um número definido de “eleitores” no colégio eleitoral – aproximadamente proporcional ao tamanho de cada estado.

Cada estado recebe pelo menos três votos eleitorais porque o valor é igual ao número total de senadores e representantes no Congresso dos Estados Unidos. Washington DC também recebe três votos do colégio eleitoral, o que significa um total de 538 eleitores do Colégio Eleitoral.

A Califórnia, o maior estado, tem 55 votos eleitorais, Texas, o segundo maior, tem 38. Nova York e Flórida têm 29 cada.

Todos os estados, exceto dois – Maine e Nebraska – usam um sistema onde o vencedor leva todos os votos, portanto, se você ganhar a maioria dos votos em um estado, receberá toda a quantidade de votos do colégio eleitoral.

Para se tornar presidente, qualquer um dos candidatos precisa ganhar o voto da maioria dos 538 eleitores – ou seja, 270 eleitores.

Embora a Constituição não determine que os eleitores sigam o voto popular, muitos estados dos EUA têm leis que exigem que eles o façam. Essas leis foram contestadas por eleitores que votaram em outra pessoa na ocasião, mas em julho, a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu que os eleitores devem seguir o voto popular nos estados que aprovaram essa lei.

O sistema de colégio eleitoral geralmente reflete o voto popular – os presidentes ganharam o voto eleitoral enquanto perdiam o voto popular apenas cinco vezes na história dos Estados Unidos. A instância mais recente foi em 2016, quando Donald Trump venceu o colégio eleitoral, mas Hillary Clinton, sua adversária democrata, venceu o voto popular.

O que são os Swing States?

A chave para qualquer uma das partes vencer a eleição presidencial é mirar em estados específicos do campo de batalha. Existem vários estados indecisos, que nas últimas eleições penderam tanto para o lado democrata quanto para o republicano. Eles detêm a chave para vencer a eleição.

Neste ano, Carolina do Norte, Flórida, Michigan, Wisconsin e Arizona podem ser decisivos no resultado da eleição.

O que acontece no dia das eleições americanas?

Em 3 de novembro, os eleitores que não enviarem uma cédula pelo correio irão às urnas. A tarefa colossal de contar votos começa mais tarde naquele dia.

Milhões de americanos votarão no dia da eleição.

Algumas redes de notícias e pesquisas publicarão os resultados projetados no final do dia 3 de novembro, embora esses resultados sejam provisórios enquanto as cédulas enviadas pelo correio são contadas.

A que horas as pesquisas de votação abrem e fecham?

Os horários de abertura e encerramento das zonas eleitorais variam de estado para estado, em alguns casos por cidade ou condado.

Alguns estados permitem que as pessoas que aguardam na fila votem quando a zona eleitoral fecha para dar o seu voto – outros não.

A maioria das pesquisas abre às 6h e o mais tardar é até as 21h (em Nova York e Dakota do Norte).

Em Vermont, os madrugadores podem votar às 5 da manhã.

Todas as seções eleitorais serão fechadas às 21h00 no horário do leste dos EUA em 3 de novembro (22h, no horário de Brasília).

Calendário de resultados eleitorais

Nas eleições americanas, as cédulas pelo correio podem ser recebidas com atraso e ainda serão contadas em muitos estados.

A maioria das cédulas por correio deve ser recebida dentro de alguns dias a partir de 3 de novembro, com algumas exceções. Alguns estados-chave permitem que as cédulas sejam enviadas com atraso, incluindo Pensilvânia e Carolina do Norte (em 6 de novembro), Minnesota e Nevada (em 10 de novembro) e Ohio (em 13 de novembro).

Cada estado começa a certificar seus resultados a partir de 10 de novembro, embora isso também possa ser adiado se houver uma recontagem. Todos os estados, exceto a Califórnia, devem concluir a apuração até 8 de dezembro. Todas as disputas – incluindo desafios e recontagens – devem ser resolvidas até esta data.

Os eleitores expressam formalmente seus votos em 14 de dezembro e os enviam a Washington.

Isso significa que o resultado claro da eleição – que foi drasticamente impactado pelas cédulas postais por causa do coronavírus – pode não ser conhecido até algum tempo após o dia da eleição.

Quantos votos são necessários para vencer as eleições americanas?

Para ganhar a presidência, Trump ou Biden devem obter mais de 50 por cento dos votos do Colégio Eleitoral. Existem 538 votos eleitorais possíveis, o que significa que 270 são necessários para vencer.

Trump com coronavírus: o que significa para a eleição?

Trump cancelou inicialmente os planos de participar de eventos de arrecadação de fundos e comícios.

O diagnóstico foi um grande golpe para um presidente que tenta mostrar ao público americano de que o pior da pandemia já passou.

É o mais sério problema de saúde pública conhecido por qualquer presidente americano na história recente.

Trump se recusou a participar do segundo debate sobre a eleição presidencial dos EUA contra Biden, depois que foi anunciado que o evento seria realizado virtualmente por causa de seu diagnóstico de coronavírus.

Nove dias após o diagnóstico de coronavírus de Trump, ele parou em uma varanda da Casa Branca e fez um discurso para uma multidão de apoiadores negros.

Ele falou por 18 minutos, sem tossir, e parecia bem.

Ele disse: “Estou me sentindo ótimo. Temos que colocar essas pessoas [democratas] no esquecimento, nos livrar deles”.

O médico de Trump anunciou em 10 de outubro que o presidente não é mais contagioso – nove dias depois de ser interrompido em sua campanha pela COVID-19.

“Estou feliz em informar que, além de o presidente atender aos critérios do CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças) para a descontinuação segura do isolamento, a amostra de PCR da COVID desta manhã demonstra, pelos padrões atualmente reconhecidos, ele não é mais considerado um risco de transmissão para outros “, disse o médico do presidente Sean Conley.

Acompanhe as eleições americanas

Agora que você já sabe como funciona as eleições americanas, acompanhe as notícias e os resultados. Afinal, este é um evento que pode mudar todo o cenário global, inclusive o brasileiro.

Trump tem a visão declarada de “America First”, priorizando os Estados Unidos nos acordos comerciais globais, enquanto mantém uma agenda conservadora, pró-vida e busca diminuir o poder do Estado através de posicionamento econômicos liberais, como corte de impostos.

Biden tem um forte vínculo com a China e com a agenda globalista, abraçando as causas de esquerda, como o movimento a favor do aborto, visando o fortalecimento do Estado, inclusive na retomada do Obamacare – o sistema de saúde universal, como o SUS no Brasil. Obviamente que, para isso acontecer, o aumento de impostos é quase inevitável.

O presidente Bolsonaro já demonstrou seu apoio à reeleição de Donald Trump. Isso significa que em caso positivo, suas relações diplomáticas continuarão a se desenvolver. Caso contrário, é bem provável que essa relação seja estremecida.

As pesquisas mostram que, no geral, Biden lidera a corrida eleitoral, inclusive em todos os Swing States. Os dados mostram que Trump fez um mandato histórico na geração de empregos, inclusive para negros e latinos.

As pesquisas estão certas? Os dados movimentaram mais uma vez a massa silenciosa que votou em Trump em 2016 garantindo a reeleição?

Isso só o tempo dirá.

Quer receber mais notícias sobre as eleições americanas e brasileiras? Acesse o nosso blog, ou assine para receber nossos conteúdos e mantenha-se informado!

 

Referência

  1. SABUR, Rozina. US election 2020: What date is it, how does voting work, and when will we get a result?, 2020. The Telegraph. Disponível em: <https://www.telegraph.co.uk/news/2020/10/22/2020-election-us-date-when-what-swing-states-how-work-covid/ >. Acesso em: 22 de out. de 2020.

Your compare list

Compare
REMOVER TODOS
COMPARE
0